Seja um showman

Eu sou um fã declarado do Prezi.

Esses dias eles publicaram uma apresentação bem maneira sobre os 10 equívocos em apresentações pública. A matéria na integra pode ser acessado em http://blog.prezi.com/latest/2014/2/7/10-most-common-rookie-mistakes-in-public-speaking.html.

Segue o resumo:

  1. Fazer gestos e movimentos sutis
  2. Falar com pouca energia
  3. Não se preparar o suficiente
  4. Não praticar o suficiente
  5. Apresentação centrada em dados
  6. Não tomar riscos
  7. Evitar vulnerabilidades
  8. Ser muito sério
  9. Apresentar muito material
  10. Ser apressado
Anúncios

Sou fã do Prezi

Imagem não é nada sede é tudo

Já comentei sobre o quanto sou fã do Prezi. Seguindo nessa linha, estava numa palestra da Marta Gabriel (uma das grandes gurus das mídias sociais da atualidade), comentou sobre a diferença entre Clientes e Fãs. Nessa ocasião ela apresentou o vídeo abaixo:

Fiquei pensando nisso: do que sou fã e do que sou apenas cliente? Quem me trata como cliente e quem me trata como fã?

Posso dizer que sou fã de: Coca-cola, Kibon, Nike, Grêmio, Samsung, (um monte de outras coisas) e Prezi. Para mim ser fã é se dedicar a alguma coisa, e mesmo que algo dê errado continuar seguindo-a. Outra característica é apresentar pontos positivos para transformar outras pessoas em fãs.

Enquanto estava montando o material para o workshop de Prezi, comecei a ler alguns textos, entre eles um material para especialistas. Segue a tradução:

Ferramentas baseadas em slides:

  • Linear, ordem sequencial de contexto
  • Lista de elementos (bullet list) é a estrutura dominante de informações

Prezi:

  • Todas as ideias são dispostas em um única visão
  • Durante a apresentação é possível mostrar uma visão geral de todo o conteúdo
  • Estrutura espacial é dominante, porém o conteúdo pode ser sequencialmente ordenado
  • A apresentação pode ser vista sequencialmente ou não-linear através de deslocamento e zoom.

Na apresentação montei 5 dicas de como montar uma boa movimentação de câmeras, são elas:

  1. Evitar os carboidratos!: significa evitar de fazer um caminho muito enrolado
  2. Evite sair correndo!: não percorra grandes distâncias sem mostrar nada
  3. Mude de rotas!: não seja muito linear, mude de sentido
  4. Objetos também respiram!: não coloque cada frame grudado no outro
  5. Esconda o jogo!: ao mover a câmera, evite de passar por frames que deveriam ser revelados somente no futuro

Ficou interessado no Prezi? Hoje e amanhã, 15 e 16 de outubro de 2012, vou mostrar como usar a ferramenta. Mais informações em http://ko-it.com/oficina-prezi-novas-ideias-novas-apresentacoes/. Vai ser muito legal.

Powerpoint ou Prezi? Prezi, Novas ideias, novas apresentações.

Novas ideias, novas apresentações.

O Prezi é uma ferramenta visual para geração de apresentação diferenciadas, onde não existe uma sequencia linear. Ele é baseado em zoom, onde pode-se mostrar uma mesma informação em diversos níveis de detalhe.

É uma solução online baseada na nuvem e tem 3 licenças:

  • Pública: é uma licença gratuita  com todos os recursos necessários para fazer a edição, porém todas as apresentações criadas são públicas e todos os usuários podem visualizá-las;
  • Básica: US$ 59,00 ao ano, além dos recursos acima, permite deixar as apresentações privadas, onde somente alguns usuários podem acessá-las;
  • Profissional: US$ 159,00 ao ano, acrescenta a ferramente de edição local no computador.

Além disso, o Prezi possui licença para estudantes e para grandes grupos por um preço diferenciado. A versão Pública já é ótima, pois garante a possibilidade de criar todos as apresentações necessárias.

Durante a criação de uma apresentação, o aplicativo possui uma ferramenta para conversão de PowerPoint para o Prezi, onde cada slide  (sem as transições e animações) é transformado em um frame e é criado um caminho de câmera passando por todos esses frames.

Nesse momento podemos ver a grande diferença entre as apresentações, enquanto a do PowePoint apresenta um layout bem convencional e linear, as apresentações adaptadas para o Prezi podem trazer um apelo visual muito forte, chamando bastante a atenção na primeira olhada.

Continuar lendo

Prezi: Apresentações Profundas

O Diabo está nos detalhes

A primeira vez que vi uma apresentação no Prezi foi em um treinamento chamado Scrumban: do Scrum ao Kanban realizados pelo Rodrigo de Toledo e Alisson Vale em Julho de 2011. Na época achei muito legal o formato da apresentação, mas não fui muito atrás.

Em Junho de 2012 vi mais uma apresentação, agora do Jorge Audy, e dessa vez foi paixão, me pegou de jeito. No dia seguinte já comecei a procurar saber mais sobre a ferramenta.

Primeiro, esqueça tudo sobre apresentações no PowerPoint. Redefinindo, esqueça como montar uma apresentação no PowerPoint, mas não se esqueça das boas práticas de como fazê-la. Por exemplo:

  • Utilize o mesmo tema de cores durante toda a apresentação
  • Tenha um bom contraste entre a cor do texto e a cor de fundo
  • Não encha o slide com texto, de preferência a tópicos
  • Reduza o número de efeitos diferentes
  • Seja direto, diminua a quantidade de slides
  • Chame a atenção na mensagem que quer ser passada

Essas boas práticas servem tanto para apresentações em PowerPoint como para apresentações em qualquer outro meio digital ou analógico, inclusive para o Prezi.

Vamos as principais diferenças. A mais importante de todas, não existem slides e como não existem slides, não existe transição entre eles. O Prezi se baseia em uma apresentação plana e em níveis. Todas as informações são incluídas e principalmente agrupadas em um único plano. Porém, esse plano pode ser visto com diferentes níveis de zoom tanto uma visão detalhada quanto uma visão mais ampla.

Segue alguns bons exemplos:

http://prezi.com/ucbqnfjsurg9/what-is-prezi-press-the-play-button/

http://prezi.com/mkg9y_pl1cxd/presentation-on-presentations/

O conceito é bem simples:

  1. Coloque informações (textos, imagens, vídeos, animações);
  2. Coloque mais informações que detalham ou abstraem mais esse primeiro grupo;
  3. Crie novos grupos e conecte as ideias através de um caminho por onde a “câmera” irá passar.

Parece simples, mas não é 😦

Como o objetivo é criar apresentações únicas e que chamem a atenção, é necessário, além de uma boa ideia, bastante dedicação e um pouco de edição de imagens e paciência.

Recentemente, vi uma apresentação do Alisson Vale, no Agile Brazil 2012, e é uma das melhores que já vi. Confira em:

http://prezi.com/fro8mgdn3g4r/jogando-o-novo-jogo-do-trabalho-do-conhecimento-com-lean-kanban-e-agile/

Como já comentei, para uma boa apresentação é necessário, além de obviamente um bom conteúdo, uma boa ideia. Uma das apresentações que me deu mais trabalho foi a da KO-IT. Foi gasto quase uma semana de trabalho e quase 10 ideias diferentes de como apresentar todas as informações. O resultado final pode ser conferido em http://prezi.com/6fdxj_igppbf/conheca-a-ko-it/.

Não vou encerrar o assunto Prezi aqui. Em breve, estarei promovendo um workshop sobre ele e vou ter mais informação.

A difícil e reconfortante arte de aprender

It is a very sad thing that nowadays is so litle useless information

– Oscar Wilde

Como já comentei estou fazendo o meu TCC sobre armazenamento de dados em banco de dados NoSQL.

O banco que escolhi utilizar foi o DyamoDB. Ele é um banco proprietário da Amazon e é da categoria chave-valor, ou seja  é uma grande tabela identificada por uma chave única. É um paradigma não muito diferente dos utilizados nos dicionários em memória, a grande diferença é a escalabilidade suportando milhões de registros.

Ontem comecei a estudar como armazenar os dados no Dynamo, e uma boa fonte de partida foi o material da própria Amazon. Escolhi desenvolver o programa na linguagem .NET (pois tenho mais facilidade)  e existe um SDK muito bom para o Visual Studio.

Demorei algum tempo para entender os exemplos disponíveis e realizar algumas alterações básicas. Mas a lógica é bem simples.

  • Após concluir o cadastro na Amazon,
  • Vá no console da ferramenta
  • E crie uma tabela
  • Informe o nome
  • Informe o tipo de chave que será utilizada, Hash que é uma chave simples ou Hash and Range que é uma chave composta de dois campos
  • Pronto a sua tabela está pronta.
  • As operações disponíveis para as tabelas são: Load (para carregar uma chave), Save (para salvar uma chave), Delete (para excluir uma chave), Scan (para listar todas as chaves) e Query (para consultar)

Como as tabelas não possuem uma estrutura rígida, cada registro pode ter campos diferentes o que facilita bastante a estrutura. Não existe relacionamento entre diferentes tabelas, isso é realizado diretamente durante a programação.

Ao final da minha secção de trabalho eu tinha as tabelas criadas, conforme “DER” abaixo

E realizei a codificação o Marvin gravar nas tabelas Usuário e Mensagem.

Durante os testes de execução do programa, com uma taxonomia limitada, encontrei uma postagem de @lespider publicando uma comparação entre diversos bancos NoSQL (acesse aqui).

O Marvin começou a criar forma, espero que ele não seja muito deprimido.